Filmambiente 2018 - Convidados

Bérengère Sarrazin, cineasta francesa, feminista e ativista sem fronteiras. Seu longa Las Damas Azules -longa em competição no Green Film Festival – participou de numerosos festivais em todo o mundo e mostra a vida de mulheres da região de Cajamarca, no norte dos Andes Peruanos que lutam há anos, contra a expansão da atividade mineira que afeta o meio ambiente e as vidas dos moradores da região.

Daniel de la Calle, cineasta e fotógrafo espanhol, licenciado em Comunicação Audiovisual e fotografia vem trabalhando no campo da música, cinema e televisão desde os anos 90, na Europa, Estados Unidos e Brasil. Seu documentário “ilha” tem sido premiado em festivais ao redor do mundo. Daniel atualmente finaliza um longa-metragem sobre a etnia Karajá do Mato Grosso, “Tori, Futuro Imperfeito”.

Mário Branquinho, português, licenciado em Ciências Sociais e Mestre em Animação Artística. Técnico Superior do município de Seia, Portugal e programador da Casa Municipal da Cultura local. Fundador e Diretor do CineEco, o único Festival Internacional de Cinema de Ambiente a acontecer em Portugal, há 22 anos. Júri em festivais de cinema de diversos países e orador em palestras internacionais sobre cinema ambiental. Fundador e membro da direção da Green Film Network (GFN).

Artur Xexéo, brasileiro, jornalista, dramaturgo, escritor. Foi editor de cultura do Jornal do Brasil e de O Globo, onde escreve coluna semanal. Comentarista da rádio CBN e do programa Estúdio I, na Globo News, escreveu um livro de crônicas sobre os bastidores das coberturas de Copas do Mundo e as biografias de Janete Clair e Hebe Camargo, que adaptou para o teatro como musical. Escreveu as peças A Garota do Biquini Vermelho, dirigida por Marília Pera; Nós sempre teremos Paris e o musical Cartola: o mundo é um moinho, além de roteiros para televisão.

Harold Crooks, jornalista, diretor de cinema e escritor canadense, dirigiu The Price we Pay, escolhido pela crítica do New York Times 2014, sucesso de bilheteria na França e melhor documentário canadense de 2014 pela crítica cinematográfica de Vancouver. Co-dirigiu o aclamado documentário eco-político Sobrevivendo ao Progresso (2012), e é co-autor da narração de A Corporação, filme premiado no Sundance e em inúmeros Festival.

Maria Paula Fidalgo, atriz brasileira, psicóloga, comediante, cronista e apresentadora, iniciou a carreira na primeira turma de VJs da MTV brasileira. Como atriz, participou do programa Casseta e Planeta na TV, peças de teatro e filmes; lançou em 2011 o livro de crônicas Liberdade Crônica, vive em Brasília, onde escreve uma coluna semanal na revista de domingo do Correio Braziliense. É militante ambiental e uma das fundadoras da ONG Uma Gota no Oceano.

Paulo Adário, brasileiro, ambientalista, jornalista, ajudou a fundar o Greenpeace Brasil nas vésperas da Eco-92. Mudou-se para Manaus em 1998 para abrir o escritório da organização na Amazônia. Em 2001 assumiu a coordenação da campanha da Amazônia do Greenpeace. Recebeu em 2012, da ONU, o Prêmio “Herói da Floresta” por seu trabalho em defesa das florestas e comunidades que nelas vivem. Desde 2014 no Greenpeace Internacional, é apaixonado pela Amazônia e luta por um modelo de desenvolvimento responsável para a região, combinando proteção ambiental e justiça social.

François Sueur, Francês, engenheiro, com pós graduação em administração de empresas e economia do desenvolvimento, é o gerente de projeto da Divisão de Água e Saneamento da Agência Francesa do Desenvolvimento desde 2013, onde desenvolve e supervisiona uma carteira de crédito para projetos na África, Ásia e América Latina, que apóia o desenvolvimento e transmissão de conhecimentos relativos a parcerias público-privadas (PPP). Por 25 anos trabalhou em diferentes empreendimentos ligados a questões da água, ocupando cargos de direção e acumulando larga experiência internacional.