tropicáliafotografia_prévia (1)A última sessão do ano do Filmambiente 2017, do filme Muito Além de Fordlândia, de Marcos Colón, aconteceu dia 14 de novembro, no Espaço Itaú de Cinema e foi um sucesso.

Depois da exibição do filme, um debate conduzido por Rodrigo Medeiros, da Conservação Internacional, reuniu o diretor e o médico e professor Marcus Barros que, emocionado, falou da Amazônia hoje, devastada pelas doenças decorrentes do uso indiscriminado dos pesticidas pelo agronegócio da soja. 

tropicáliafotografia_prévia (5) tropicáliafotografia_prévia (4) tropicáliafotografia_prévia (3)

Vice-presidente da CI – Rodrigo Medeiros, diretor Marcos Colón e professor Marcus Barros

(fotos Tropicalia)

O filme mostra o dano imposto à floresta, à hidrografia e ao homem amazônico, gradativamente ameaçados pelo avanço do agronegócio na região. Aborda a derrubada de 1 milhão de hectares de mata para o cultivo de seringueiras e a transição para a bem-sucedida monocultura da soja, que substitui enormes contingentes florestais por lucrativas commodities para o exterior.

O diretor e idealizador do filme, Marcos Colón, é pesquisador do Centro de Cultura, História e Meio Ambiente do Instituto Nelson de Estudos Ambientais da Universidade do Wisconsin, Madison, EUA. A inspiração para Beyond Fordlândia surgiu em meio à sua pesquisa de doutorado, que trata da representação amazônica na literatura brasileira do século XX. “Tive a oportunidade de visitar a parte brasileira da Amazônia, e ver de perto uma região conhecida apenas através de obras literárias. Quando li sobre a chegada de Ford em ‘O turista aprendiz’, de Mário de Andrade, meu foco foi sendo levado para aquela região. Após visitar Fordlândia e Belterra, cidades fundadas pelo empreendimento fordista, decidi que precisava contar aquelas histórias”, afirma o pesquisador.
Após a exibição, a platéia pode tirar dúvidas e conversar com o diretor e Marcus Barros – médico infectologista, especialista em medicina tropical, professor, pesquisador e uma das autoridades científicas e intelectuais da região, em debate mediado pelo biólogo e vice-presidente da Conservação Internacional do Brasil, Rodrigo Medeiros, especialista em desenvolvimento sustentável e inclusão social.>